Qual Direiro te ajuda a pensar e a escrever?

setembro 4th, 2019 por Carla Queiroz Pereira

Há mais de 10 anos trabalho com profissionais e estudantes de Direito; trata-se de uma área que requer bastante leitura e, a depender da instituição na qual se forma o discente, muita escrita também durante todos os anos de graduação. Mas por que, então, após 5 anos de estudos, os graduados em Direito que pretendem prestar um concurso não estão aptos a dissertar?

A resposta a essa questão está diretamente relacionada ao ensino jurídico tradicional: um ensino predominantemente voltado para a leitura e memorização de leis, códigos, doutrinas e jurisprudências; a atividade de escrita, neste caso, fica restrita à mera aplicação da lei ao caso concreto, exigindo-se bem menos do que se poderia em termos linguísticos.

Não há um exercício do pensar voltado para a discussão e reflexão, para as relações com outros campos do saber. Não há um pensamento crítico sobre os problemas contemporâneos que interessam ao mundo jurídico.

O Direito que nos ajuda a pensar, portanto, é aquele que não foi enterrado nos códigos; é o Direito que não está posto, mas é construído.