A dissertação não vale 1000, vale 100!

novembro 8th, 2016 por Carla Queiroz Pereira

Tem gente que escreve um suuuuuuuper texto, uma dissertação de excelência para nossas aulas, aliás, muito superior ao que a banca exige. O problema está, porém, no tempo que se gasta para certas dissertações. Quando pergunto sobre o tempo despendido nesses textos de excelência, muitas vezes sou informada de que foram gastas 2h30… 4h… Oh, God! Isso seria ótimo se nas provas para concursos também tivéssemos o relógio a nosso favor. Mas não o temos! Portanto, segue uma orientação: talvez (talvez!) você não possa escrever, em função do tempo, um texto de excelência (um texto nota 1000), mas consiga um texto nota 100, ou seja, um texto ótimo (com argumentos consistentes, boa coesão, conhecimento de mundo, correção gramatical etc.) super dentro do que a banca espera e precisa para lhe pontuar com nota máxima. Lembre-se disto: o texto de excelência (nota 1000) e o texto ótimo (nota 100, conforme correções da FCC, por exemplo) são pontuados da mesma maneira, ou seja, com a nota máxima da banca.