E – S – C – O – N – J – U – R – A – T – Ó – R – I – O ou E – X – C -O – N – J – U -R -A -T -Ó -R -I – O?

maio 10th, 2009 por Carla Queiroz Pereira

Essa palavra do título se escreve com S ou com X? Aliás, você já conhecia essa palavra?

Sem dúvida alguma, não deixa de ser importante e uma forma de incentivo a participação de crianças e adolescentes em concursos de soletração de palavras, tal como ocorre no “Caldeirão do Huck”. Particularmente, gostaria de parabenizar os vencedores da eliminatória de ontem, sábado, e aqueles que, em função do tipo de tarefa proposta, foram eliminados. Parabéns a esses também, claro, afinal, só “erraram” onde a língua permite. Como assim?

Os erros de grafia têm uma natureza: a relação entre letras e sons. Ortograficamente escrevemos, por exemplo, “exceção”, mas podemos escrever de outras maneiras usando o sistema de escrita alfabético (baseado nas relações entre letras e sons do nosso sistema ortográfico).

Sons diferentes podem ser representados por letras iguais (ex: cenoura, casa etc.), e um mesmo som pode ser representado por diferentes letras (ex: você, nosso, poço, paz, sapo etc.). Essa regra não seria diferente para a palavra “eSconjuratório”, mencionada no referido programa, soletrada como E-X-C-O-N-J-U-R-A-T-Ó-R-I-O por um dos participantes, Daniel Coutinho (MG).

Interessante ressaltar que “dificuldades em acertar a ortografia não são nenhum privilégio dos alunos, nem uma questão de alfabetização” (…). Certamente, quem lê muito e escreve bastante, com o tempo, passa a ter cada vez menos dificuldades em escrever ortograficamente” (Cagliari & Cagliari, 1999). No caso de palavras como “esconjuratório”, de pouco uso, a dificuldade poderá ainda existir, inclusive entre aqueles que têm bons hábitos de leitura/escrita.

Por tais razões, muito me chamou a atenção o tom de voz de repreensão do professor que lá estava presente, ao corrigir o participante: “Esconjuratório é com ‘S’ e não ‘X’”. O aluno, quando “erra” a grafia de uma palavra, não pode sofrer qualquer espécie de punição por isso; não se pode dar à ortografia tamanha ênfase, afinal, acertar a grafia não quer dizer competência para escrever bons textos. Já a prática constante de escrever (e ler), isso sim, garante a escrita de bons textos e, consequentemente, maior domínio da ortografia.