Mais um texto de Sírio Possenti!!!

março 17th, 2009 por Carla Queiroz Pereira

Língua ou gramática, eis a questão

Sírio Possenti
De Campinas (SP)

Uma passagem de uma coluna do professor Pasquale (Folha de S.Paulo, 08/01/2009, p. C2) fornece o pretexto para explicitar aspectos de uma questão que quase sempre são inadequadamente misturados. Começa citando um poema de Bandeira, que foi musicado por Dorival Caymmi e do qual se tratou em prova da Fuvest: “O rei atirou / sua filha ao mar / e disse às sereias: / – Ide-a lá buscar”.

A propósito das questões formuladas (uma perguntava pelo efeito expressivo de “ide” e outra mandava substituir a segunda pessoa do plural pela terceira), mas depois da segunda, que talvez até seja mais fácil que a primeira, faz o seguinte comentário: “Agora o bicho pega de vez, ao menos para quem teve o azar de estudar com “professores” que julgam que nas aulas de português só se deve falar da língua viva, da língua de hoje”.

Há vários aspectos nesta passagem que merecem comentários. As aspas em “professores” (que poderiam estar também em “professor” Pasquale, querendo), o comentário “agora o bicho pega de vez”, curiosamente depois da segunda questão, que supõe conhecimento de língua de hoje, a viva, mas, especialmente, a “mistura” implícita entre aulas de português e aulas de gramática.

Como disse, as questões da prova mandam discorrer sobre o efeito expressivo da forma “ide” e, depois, substituir esta forma pela terceira do plural – “vão”. O professor Pasquale supõe – ou permite que se suponha – que as respostas podem ser dadas com base no estudo das formas gramaticais da língua mais “antiga” e que alunos que só tivessem estudado a língua viva se sairiam mal na prova.

Ora, nada garante que quem estudou as formas antigas – a conjugação verbal como está nas gramáticas – se dê conta do efeito expressivo de uma forma mais ou menos antiga (“ide”). Muitos estudantes que têm o azar de ter “professores” que não falam do português de hoje ficam mudos diante de perguntas como essa, porque esses professores dificilmente falam de efeitos expressivos…

Mas a questão não é bem essa. A principal é a tese implícita da coluna: “estudar” formas antigas permite compreender seus efeitos. Ora, isso não é obvio. O que importa é distinguir duas coisas: estudar gramática do português e estudar português. Em tese, é perfeitamente possível estudar gramática (fazer gramática, aprender como se faz gramática) sem estudar português, no sentido de saber explicitar a relação entre o emprego de uma forma e seus efeitos de sentido.

Estudar (fazer?) gramática na escola, no que se refere a um item próximo do que está em questão, uma conjugação verbal, seria mostrar, com base em dados, que, considerados diversos contextos e épocas, as formas verbais se distribuem mais ou menos assim:

 

Na primeira coluna estão as formas verbais das quais se pode dizer, um pouco simplificadamente, que são mais típicas da escrita culta e de épocas mais antigas (um dos efeitos do emprego de algumas dessas formas, especialmente de “ides”, é de “arcaísmo” ou de “solenidade”). A coluna mostra que há, nessa variedade da língua portuguesa, seis formas verbais, uma para cada “pessoa”.

Na segunda coluna estão as formas associadas, também um pouco esquematicamente, à fala culta atual. As formas são, como se pode ver, três ou quatro, e não seis. Na escrita, “a gente vai” ocorre bem menos vezes do que “nós vamos”. Mas na fala é o contrário que se dá. Para convencer-se disso, basta ouvir conversas de bar, mesas redondas, entrevistas, declarações no rádio ou na TV. Sim, de gente culta.

Na terceira, estão representadas as formas verbais menos cultas, mais “rurais”, talvez caipiras, em sentido técnico (e que se ouvem em algumas conversas, mas, especialmente, naquelas em que se representa a fala do caipira, do homem do campo – basta ver certos quadros de humor). Nesta gramática há somente duas formas verbais (parece inglês…).

Fazer gramática assim é estudar aspectos da língua como se faz, digamos, em botânica ou anatomia. Constata-se que as plantas e os tecidos são os que são e que são como são, independentemente de gosto, predileção ou nojo. Tripas são tripas…, mesmo se chamadas de intestinos. Sofisticando um pouco, constata-se (e explica-se) o que ocorreu e o que está ocorrendo. Por exemplo, podem-se explicar aparentes “misturas” como “a gente vamos”, forma que se ouve bastante e que se encontra também nos clássicos: “a gente” é uma expressão que se refere ao falante e a outra pessoa, exatamente como “nós”; daí a forma verbal tipicamente associada a esse pronome.

Os efeitos que decorrem de empregar tais formas têm mais a ver com “estilo” do que propriamente com gramática, embora, é claro, as questões se superponham em mais de um sentido. E não explicitam nada disso. Ficam esperando as provas da Fuvest ou da Unicamp para mostrar … aquilo que gostariam de ter feito.

Voltando ao tema: não imagino que haja algum professor, com aspas ou sem aspas, que ensine na aula as formas verbais da terceira coluna, ou mesmo da segunda. Mas existem professores que papagueiam as formas da primeira como se elas fossem empregadas correntemente e como se os efeitos de seu emprego fossem óbvios.

Como é que os alunos desses “professores” podem se dar conta, por exemplo, do efeito do emprego de formas como “hei de ser” (Flamengo sempre eu hei de ser…), se não estudam essa forma verbal do futuro, mais antiga do que “serei”?

Aqui, a meu ver, está a questão fundamental, quando se trata de ensino: há uma certa divisão de tarefas – e de métodos – entre o estudo de gramática (os objetivos desse tipo de estudo deveriam ser claros, aliás) e a prática, que envolve várias questões, de ler textos adequada ou sofisticadamente.

Por exemplo: ler Camões não supõe necessariamente estudar explicitamente a gramática do português camoniano (com suas passivas características como “o mar que dos feos focas se navega”, por exemplo), mas supõe saber comentar minimamente tais estruturas, e, especialmente, ser capaz de fazer delas paráfrases adequadas.

Ler Guimarães Rosa não supõe a construção de uma gramática do “rosês”, mas sim a capacidade de verificar em que medida as formas dessa interlíngua produzem os efeitos que produzem. E de explicar a peculiaridade dessa obra exatamente pela relação entre tema, ambientação e linguagem – que não é uniforme, aliás. Basta ver as diversas falas no julgamento de Zé Bebelo (como mostrou Willi Bolle em grandesertão.br)

As relações entre gramática e leitura / escrita são análogas às que existem entre botânica e paisagismo. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, como dizia o filósofo popular. Bons botânicos não são, em geral, bons paisagistas, nem paisagistas são necessariamente bons botânicos.

Sírio Possenti é professor associado do Departamento de Lingüística da Unicamp e autor de Por que (não) ensinar gramática na escola, Os humores da língua e de Os limites do discurso.

 

Retirado de:

 http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI3447701-EI8425,00-Lingua+ou+gramatica+eis+a+questao.html