Escrever: por que muitos não aprenderam? – Parte I

fevereiro 12th, 2008 por Carla Queiroz Pereira

Para responder a essa pergunta temos de tentar voltar ao passado e lembrar de como a escrita nos era proposta… haaaa, acabo de lembrar uma situação: os professores davam uma figura qualquer, solicitavam colá-la no caderno e escrever sobre ela. Também davam um tema sobre o qual deveríamos escrever algo. E que mal há nisso, você pode questionar? O problema é que nesse tipo de proposta elimina-se um requisito básico para a escrita de um texto, isto é, ter uma razão para escrever, uma motivação real (que faça sentido para quem escreve). E não pára por aí.

É necessário que haja informações, fatos, comentários etc. a partir dos quais o texto possa ser escrito. Propostas desse tipo são práticas passadas? O que mudou? Talvez as figuras mudaram. Ainda hoje em nossas escolas há muita atividade de cópia, ditado e análise sintática, mas pouca prática de reflexão sobre a construção dos textos e seus sentidos; pouca prática de escrita significativa de textos, uma realidade que se arrasta ao longo da vida escolar e provoca conseqüências desastrosas.